sábado, 12 de fevereiro de 2011

Sem gasolina

Madre Angélica era muito querida e admirada na região. Desde muitos anos, cumpria uma rotina diária de visitas as famílias pobres da periferia da cidade, levando não só o conforto espiritual, mas também roupas, remédios, utensílios novos ou usados. Madre Angélica nunca tinha um tostão no bolso, tudo que distribuía era proveniente de doações que conseguia das classes mais abastadas, a custa de muita conversa. Uma das doações mais significativas que recebera foi uma pick-up velha, presente de um fazendeiro para substituir a velha carroça puxada a burro que a freira usava. 
Certo dia, Madre Angélica dirigia-se para um bairro afastado com a pick-up abarrotada de material para distribuição quando acabou a gasolina. Felizmente ela estava na estrada principal da região e acabava de passar por um posto. Certa de que conseguiria uma doação de alguns litros de gasolina, procurou entra as tralhas que carregava algum recipiente em que pudesse recolher o combustível. Matreira, não queria utilizar uma garrafa para não limitar a doação a um litro e acabou achando um pinico velho onde, pelos seus cálculos, caberiam uns cinco litros. Quinze minutos a pé para ir até o posto, uma conversa piedosa com o dono do posto a quem deu uma medalhinha como sinal de gratidão, quinze minutos para voltar a pick-up e o problema estava quase resolvido. 
Madre Angélica abriu a tampa do tanque de combustível e estava iniciando o abastecimento quando aquele enorme caminhão parou uns dez metros atras da pick-up. O motorista, novo naquelas paragens, permaneceu na cabine e ficou observando a freira derramar o conteúdo do pinico no tanque.
Acabado o abastecimento, Madre Angélica entrou na pick-up, deu partida e seguiu em frente.
O motorista, atônito, comentou com seu ajudante:
- Vai ter fé assim na puta que pariu!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário